A premissa é simples: todo o vendedor pode ser também comprador. Isto é, os objetivos da venda de um imóvel não são conhecidos para quem se propuser a comprá-lo. No entanto, um dos mais comuns é a compra de uma outra casa. Por isso, cumprir o planeamento de uma mudança é essencial, para ambas as partes.

Se tem uma data fixa, tente organizar todos os afazeres para a semana anterior à efetiva mudança. Desta forma tem ainda sete dias para lidar com qualquer imprevisto que possa surgir – uma situação bastante comum quando aquilo a que se propõe não depende unicamente de si.

Se vender casa com este propósito organize o sinal que terá de pagar (caso peça um empréstimo) com o momento em que também receber essa quantia enquanto vendedor. Faça coincidir todos os momentos financeiros com alguns dias de intervalo para que consiga ter a liquidez financeira de que precisa e, ao mesmo tempo, fazer face às suas próprias despesas.

Arrume tudo com antecedência e deixe apenas umas últimas caixas para os últimos dias. Não se arrisque a mudar tudo num só dia ou fim-de-semana de véspera. Assim como terá grande vontade de começar uma nova etapa, também quem comprar a casa que agora abandona quererá abrir esse novo capítulo da sua vida: a casa nova.

Se tencionar comprar a sua casa apenas depois de ter vendido a anterior precisará de uma localização intermédia onde terá de guardar as suas coisas para, mais tarde, transportar para o novo imóvel. Vai acabar por levar alguns dias deslocado/a, mas é garantido que terá todo (ou quase todo consoantes os casos) o poder financeiro de acarretar uma nova compra.

Caso tencione comprar uma nova casa antes de conseguir desfazer-se da atual, terá de ter o valor do sinal (caso recorra a crédito à habitação) ou total (caso a compra seja feita a pronto pagamento) imediatamente disponível. Mais tarde, após a venda, conseguirá saldar as contas que possa ter deixado mais desfalcadas.

Contudo, qualquer que seja o objetivo ou a aplicação final do valor que receber pelo imóvel, numa mudança de casa, o essencial é respeitar o planeamento e não fugir aos timings que irá ter de cumprir.

Enquanto comprador pode jogar com esta necessidade de cumprimento de timings e agenda para negociar preços de compra mais vantajosos.

Aquando da mudança pense estrategicamente e através do calendário:

  1. Primeiro terá de pôr a casa à venda – pode fazê-lo sem ajuda e recorrer às plataformas online ou contratar os serviços de uma agência imobiliária (e, neste caso, tenha em mente que terá de pagar uma comissão);
  2. Depois do imóvel estar no mercado (não se esqueça de cancelar todos os contratos de água, luz e gás antes de abandonar a casa), tem de estar disponível e organizado, uma vez que a primeira impressão também conta;
  3. No caso de vender o imóvel e ainda ter uma hipoteca sobre ele terá de pedir o destrate ao banco que lhe concedeu o empréstimo, para que a sua dívida fique saldada no momento da escritura;
  4. Não force a agenda – este processo leva tempo (meses mesmo), por isso não se comprometa com nenhum imóvel se não tiver saldo para tal, ou disponibilidade.
  5. No momento efetivo da mudança pode fazê-la sozinha se tiver um carro (aqui é sempre bom ter mais alguém a quem possa recorrer para agilizar a mudança de casa que nunca é um processo fácil e rápido), ou recorrer a uma transportadora que lhe cobrará o serviço à hora.

 

Boas vendas e boas mudanças!