Mercado Imobiliário em Números: Barómetro Anual

30 dezembro 2020

De imovirtual

Mercado Imobiliário em Números: Barómetro Anual

Análise anual 2020

Venda | Apartamentos e Moradias

O preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual para venda em Portugal durante este ano manteve uma variação de 1% durante todos os períodos, à excessão do período do confinamento onde se verifica uma ligeira diminuição de -0,11%. Em janeiro, o preço médio foi de 344.417€ e em dezembro de 348.223€, um aumento de 1,1%.

Évora foi o distrito com a maior variação percentual no início do ano com 11,9%. No entanto, no confinamento verificou-se a diminuição do mesmo na ordem dos -0,3% e no desconfinamento a diminuição é mais acentuada com -3,6%. No final deste ano Évora retoma esse aumento passando de 202.049€ em novembro para 205.187€ em dezembro, marcando um aumento de 1,6%.
A diminuição do preço para venda durante o desconfinamento é acompanhada pelo aumento da procura de imóveis em Évora na ordem dos 41%.

Viana do Castelo, Santarém e Setúbal foram distritos que apresentaram no início do ano um aumento na variação percentual do preços na ordem dos 3% e 2%, mas nos restantes períodos indicados acima não se verificaram aumentos ou diminuições significativos. No entanto a procura por imóveis em Viana do Castelo, Santarém e Setúbal durante a altura confinamento/desconfinamento foi marcada por 39,3%, 53,6% e 42,7% respectivamente.

Beja e Guarda foram os dois distritos onde se verifica uma diminuição mais significativa dos preços para venda durante o confinamento na ordem dos -2,7% e -3,3% respectivamente. Guarda manteve esse mesmo preço até à atualidade, acompanhado pelo aumento da procura no desconfinamento na ordem dos 41,6%. Já em Beja verifica-se um aumento do preço nos meses de desconfinamento na ordem de 2,9%, passando de 126.099€ para 129.773€. 

Portalegre foi o distrito que ao longo dos quatro períodos sofreu uma queda de preços. No início do ano verificou-se uma diminuição ligeira de -0,6%, no confinamento de -3,1%, no desconfinamento de -11,8% e agora, no final do ano, de -4,4%, com um preço médio de 110.217€.

Lisboa, Porto e Faro estiveram no top dos distritos mais caros para comprar casa durante todo o ano. 

Lisboa, no início do ano, apresentou um aumento do preço médio na ordem os 1,3%. Apesar da tendência da pandemia marcada por uma maior procura por imóveis fora das áreas metropolitanas, Lisboa não sofreu alterações significativas dos seus preços. No confinamento e desconfinamento as alterações no preço médio foram de 0,15% e 0,01% respectivamente.

No final deste ano, Lisboa retoma o aumento dos preços com 2,57%, passando de 543.621€ para 557.595€.

O mesmo se verificou no Porto. No início do ano, apresentou um aumento do preço médio na ordem dos 1,4%, tendência que se manteve no confinamento onde a variação do preço foi marcada por um aumento de 1,1%. Apenas no período do desconfinamento verificou-se uma diminuição do preço na ordem de -1,3%, passando de 310.694€ para 306.713€.

No final deste ano Porto retoma o aumento dos preços com 0,7%, passando de 309.265€ para 311.443€.  

Faro, contrariamente a Lisboa e ao Porto, no início do ano apresentou uma diminuição do preço médio na ordem dos -0,4%. No entanto, no período do confinamento e desconfinamento apresentou um aumento percentual do preço médio de 3,2% e 0,4% respetivamente. 

Faro termina o ano com um preço médio de 453.378€.

Arrendamento | Apartamentos e Moradias

O preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual de arrendamento em Portugal durante este ano sofreu várias alterações em todos os períodos definidos. No início do ano e confinamento assistimos a uma queda dos preços na ordem dos -1,2% e -3,2% respectivamente.
Já no desconfinamento e final do ano verificamos o retoma do mesmo, com 1,1% e 3% respetivamente. Agora, em dezembro, o preço médio de um imóvel para arrenda em Portugal é de 1.036€.

Beja foi o distrito com a maior variação percentual no início do ano com 17,1%. Este crescimento manteve-se nos quatro períodos. No confinamento o crescimento foi de 26,7% e no desconfinamento foi de 3,2%, acompanhado de um crescimento da procura na ordem dos 16,6%. Agora, no final do ano, verifica-se um aumento significativo de 21,8%, passando de 614€ para 748€.

Guarda foi o distrito que apresenta no início do ano um aumento na variação percentual de preços na ordem dos 10,6%, mas no confinamento sofreu uma diminuição dos preços na ordem dos -5,8%. No entanto, no final do ano, verifica-se uma retoma de 10,4%, passando de 364€ para 402€.

Assim como Guarda, Aveiro, Braga e Vila Real foram os distritos onde se verifica uma diminuição mais significativa dos preços para arrendamento durante o confinamento na ordem dos -5%, -5,2% e -9,4% respectivamente.

Quando analisada a variação percentual dos preços de Viana do Castelo e Castelo Branco verificamos que no início do ano houve uma queda na ordem nos -5,8% e -13% respetivamente. No entanto, assistimos a um aumento dos preços ao longo de todo o ano, destacando um aumento significativo no desconfinamento, em Viana do Castelo, na ordem dos 10,5%. No final do ano, Viana do Castelo apresenta um aumento do preço na ordem dos 2%, passando de 509€ para 519€ e Castelo Branco apresenta um aumento de 5,2%, passando de 387€ para 407€.

Lisboa, Porto e Faro estiveram no top dos distritos mais caros para arrendar casa durante todo o ano. 

Lisboa, no início do ano e no confinamento, foi marcado pela diminuição do preço médio na ordem dos -0,6% e -3,6% respectivamente.

Já no desconfinamento e no final deste ano assistimos a uma retoma do aumento dos preços com 0,8% e 2,4% (passando de 1.288€ para 1.319€) respetivamente.

O cenário no Porto foi distinto. No início do ano, apresentou um aumento ligeiro do preço médio na ordem os 0,4%. Nos restantes períodos assistimos a uma diminuição do preço na ordem de -5,2% no confinamento, -2,1% no desconfinamento e -0,2% no final do ano (passando de 906€ para 904€).

Faro, assim como Lisboa, no início do ano apresentou uma ligeira diminuição do preço médio na ordem dos -0,6%. No entanto, nos restantes períodos apresentou um aumento percentual do preço médio de 5% no confinamento, de 4,2% no desconfinamento e termina o ano com um aumento de 4,2% (passando de 801€ para 835€).

Análise anual 2020 vs 2019

Venda | Apartamentos e Moradias

O panorama do preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual para venda em Portugal durante o ano de 2020 quando comparado com o ano de 2019 é bastante positivo.
No início do ano de 2020 assistimos a um aumento do preço médio de 8%, passando de 318.951€ para 344.417€. Com o aparecimento da pandemia, acompanhada do confinamento, e contra as expectativas da queda dos preços, assistimos a um aumento de 11,3%, passando de 316.657€ em 2019 para 352.339€ em 2020. No período do desconfinamento assistimos a um aumento de 7,2% quando comparado com esse período no ano anterior.
Terminamos o ano com um aumento dos preços de 1,6% (de 342.783€ para 348.223€).

Setúbal, Vila Real, Aveiro e Évora destacam-se como os distritos com maior variação percentual dos preços ao longo do ano.

Setúbal apresenta em janeiro um aumento da variação percentual de 17,5% e, quando comparado o período do confinamento com o período homólogo do ano anterior, assistimos ao contínuo aumento para 19,6% (passando de 243.970€ em 2019 para 291.863€ em 2020). No período do desconfinamento assistimos ao crescimento de 14,2% acompanhado do aumento da procura na ordem dos 21,6%.

No distrito de Vila Real devemos destacar o período de confinamento e desconfinamento quando comparados com 2019, com um aumento de 11,8% e 13,9% respetivamente.

O distrito de Aveiro começa o ano com um aumento dos preços de 11,3% que, mesmo com o confinamento, não sofreu nenhuma queda e mantém um crescimento de 9,9% (passando de 195.656€ para 215.092€) quando comprado com o ano de 2019.

No caso de Évora, assim como Vila Real, nos períodos de confinamento e desconfinamento destaca-se com um aumento de 19,7% e 15,1% respetivamente e termina o ano com um aumento do preço médio de 16,9% (passando de 175.592€ em 2019 para 205.187€ em 2020).

Portalegre e Guarda destacam-se pelos distritos com um decréscimo acentuado do preço médio.

Portalegre iniciou o ano com um decréscimo do preço médio que se mantém no confinamento, na ordem dos -14,5% e -13,5% respetivamente e esta diminuição acentua-se nos restantes períodos. No período de desconfinamento assistimos a um queda acentuada do preço na ordem dos -21,4% (passando de 168.119€ em 2019 para 132.082€ em 2019) e termina o ano de 2020 com uma diminuição do preço de -16,9%.

Guarda apresenta um descida acentuada do preço no período do desconfinamento e no final do ano de 2020, quando comparado com o ano anterior, com -12,6% e -14% respectivamente. Acompanhado do decréscimo do preço no desconfinamento, assistimos a um aumento da procura na ordem dos 56,5%.

O ano termina com Lisboa, Faro, Região Autónoma da Madeira e Porto no top dos distritos mais caros para comprar um imóvel. Em todas as região, quando comparadas com o ano de 2019, assistimos a um aumento constante do preço nos quatro períodos

Em Lisboa devemos destacar o período do confinamento em que assistimos a um aumento do preço quando comparado com o ano anterior de 12,1% (passando de 508.299€ para 569.76€). Termina o ano com um preço médio de 557.595€.

Faro, no período do confinamento, apresenta um aumento de 6,2% do preço, passando de 423.791€ para 450.225€. Termina o ano com um preço médio de 453.378€.

Na Região Autónoma da Madeira, no período de confinamento, assistimos a um aumento de 9,1% do preço médio, passando de 305.081€ para 332.691€. No período de desconfinamento assistimos a um aumento do preço médio de 7,5% e a um aumento da procura de 21,7%.

A mesma tendência mantém-se no Porto, com um aumento do preço médio no período do confinamento de 12.9%, passando de 279.288€ em 2019 para 315.417€ em 2020. Termina o ano com um aumento de 1,9% e com um preço médio de 311.443€.

imovirtual preços médios comprar casa

Arrendamento | Apartamentos e Moradias

O panorama do preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual para arrendamento em Portugal durante o ano de 2020 quando comparado com o ano de 2019 mantém a tendência de decréscimo.
No início do ano assistimos a uma diminuição do preço médio de -9,6%, passando de 1.317€ em 2019 para 1.191€ em 2020. Com o aparecimento da pandemia, acompanhada do confinamento, assistimos a um decréscimo de -13,3%.
No período do desconfinamento assistimos a uma quebra acentuada de -20,9% quando comparado com o mesmo período no ano anterior, passando de 1.355€ para 1.072€.
Terminamos o ano com uma diminuição dos preços de -13,5% (de 1.198€ em 2019 para 1.036€ em 2020).

Beja, Guarda e Évora destacam-se como os distritos com maior variação percentual no final do ano de 2020.

Beja apresenta no período de confinamento uma quebra na variação percentual de -14,2%, acompanhada de um aumento da procura de 7%. No período de desconfinamento assistimos a uma retoma de 3,5% (passando de 541€ em 2019 para 560€ em 2020). Termina o ano com um crescimento de 66,6%, de 449€ para 748€.

No distrito da Guarda devemos destacar o período de desconfinamento quando comparado com 2019, com uma quebra de -9,8%, passando de 368€ para 332€ e termina o ano com um preço médio de 402€, um aumento percentual de 34%.

No caso de Évora, nos períodos de confinamento e desconfinamento destaca-se com um decréscimo de 11,1% e 15,4% respetivamente e termina o ano com um aumento do preço médio de 12,9% (passando de 487€ para 550€).

Porto, Castelo Branco e Lisboa destacam-se pelos distritos com um decréscimo acentuado do preço médio.

Porto iniciou o ano com um ligeiro decréscimo do preço médio que se mantém no confinamento, na ordem dos -3,6% e -3,9% respetivamente e esta diminuição acentua-se nos restantes períodos. No período de desconfinamento assistimos a um queda acentuada do preço na ordem dos -19,7% (passando de 1.211€ para 973€) e termina o ano de 2020 com uma diminuição do preço de -19,2%, de 1.119€ em 2019 para 904€ em 2020.

Castelo Branco apresenta um descida acentuada do preço no período do desconfinamento e no final do ano de 2020, quando comparado com o ano anterior, com -6,9% e -14,9% respectivamente. Acompanhado do decréscimo do preço no desconfinamento, assistimos a um aumento da procura na ordem dos 15,6%.

Lisboa iniciou ano com um decréscimo do preço médio que se mantém no confinamento, na ordem dos -9,8% e -10,5% respetivamente e esta diminuição acentua-se nos restantes períodos. No período de desconfinamento assistimos a um queda acentuada do preço na ordem dos -16% (passando de 1.651€ para 1.387€) e termina o ano de 2020 com uma diminuição do preço de -13,9%, de 1.531€ em 2019 para 1.319€ em 2020.

Faro e a Região Autónoma da Madeira, assim como Lisboa e Porto, estão no top dos distritos mais caros para arrendar um imóvel. Em todas as região, quando comparadas com o ano de 2019, assistimos a um descréscimo constante do preço nos quatro períodos

Faro, no período do confinamento e desconfinamento, apresenta a quebra mais acentuada dos preços de -26,8% e -29,5% respetivamente. Termina o ano com uma variação percentual do preço de -3,7%, passando de 867€ em 2019 para 835€ em 2020.

Na Região Autónoma da Madeira, no período de confinamento existe um descréscimo de -12,4% do preço médio, passando de 991€ para 868€. No período de desconfinamento a tendência mantém-se e assistimos a uma quebra do preço médio de 15,6%, passando de 949€ em 2019 para 801€ em 2020.

imovirtual preços médios arrendar casa

Ultima actualização: 05 janeiro 2021

Partilhar