Investir num imóvel ou mudar-se para o interior de Portugal deve ser uma decisão ponderada. Trata-se ainda de um território que sofre com fenómenos de despovoação, essencialmente pela escassez de emprego. No entanto, apresentamos-lhe 5 motivo para arriscar!

 

Qualidade de Vida

O interior do país é menos habitado do que o litoral, sofrendo até, e certas zonas, de despovoação.

Contudo, o mercado de trabalho está em evolução e há cada vez mais empresas que permitem e incentivam o trabalho a partir de casa. Desta forma, “cada vez mais pessoas irão decidir morar no interior priorizando a qualidade de vida em detrimento da proximidade do escritório”.

A calma e tranquilidade são cartão de visita destas regiões. O tempo parece passar mais devagar no Interior, sem o stress e agitação das grandes cidades do litoral.

 

Preços dos imóveis - mais baixos

Os preços dos imóveis, em Portugal, continuam a subir, principalmente em Lisboa, Porto e outras grandes cidades.

No entanto, apesar da tendência de aumento ser observada em todos os distritos, a discrepância nos preços entre cidades do interior e cidades do litoral é bastante elevada.

Neste mapa interativo desenvolvido pelo jornal Negócios, com base nos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, é possível visualizar os preços médios por metro quadrado, município a município.

À primeira vista, é imediatamente visível, através das cores utilizadas, esta diferença de valores, com o Interior a apresentar preços claramente mais baixos.

A título de exemplo, no estudo mencionado, é possível observar que, em 2018, enquanto que as cidades de Lisboa e Porto se distinguem pelos preços mais altos, os municípios de Pampilhosa da Serra, Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo de Rodrigo apresentam os preços de venda mais baixos, a nível nacional (130, 134 e 171 euros por metro quadrado, respetivamente).

Feitas as contas, viver na Pampilhosa da Serra, por exemplo, pode custar-lhe até menos 2.747 euros por metro quadrado do que viver na capital, ou seja, um valor 20 vezes inferior.

 

Projeto Novos Povoadores

"Novos Povoadores" é o nome de um projeto que visa o aconselhamento de famílias que desejem mudar-se para o interior do país.

No âmbito desta iniciativa já foram ajudadas centenas de famílias - embora se tenham inscrito milhares. Isto acontece porque nem todas as pessoas são incentivadas a mudar-se para o interior.

Apesar de terem como objetivo o desenvolvimento destas regiões, os profissionais responsáveis pela iniciativa “Novos Povoadores”, atuam e aconselham com sensatez, tendo em conta a possibilidade económica das famílias, a profissão dos membros que a constituem e as oportunidades de emprego no local onde pretender morar.

O ideal é que pelo menos um dos elementos do agregado familiar possa trabalhar de forma remota, a partir de casa, de um computador…o que é cada vez mais comum nos dias que correm.

O projeto estende-se a empresas tendo em vista a criação de novos postos de trabalho. “O programa de repovoamento rural Novos Povoadores visa facilitar a implementação ou transferência de projetos empresariais para os territórios rurais.”

 

Criar o seu negócio – alojamento local

Investir num imóvel numa ótica de rentabilização também é uma opção. Tem dinheiro disponível e gostava de o investir no mercado imobiliário? Porque não apostar numa propriedade de alojamento local no interior do país?

Para além de se tornar empreendedor criando o seu próprio negócio, estará a criar oportunidades de emprego na região, dinamizando-a.

Sabia que no âmbito do Portugal 2020, existem diversos apoios ao alojamento local?

Existe inclusive uma “Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior” que apoia projetos que promovam a valorização do património natural, do “ saber fazer tradicional”, dos recursos endógenos das regiões do interior, e também o desenvolvimento de novos tipos/serviços de turismo (enoturismo, turismo militar. termal, literário, equestre), (…).

Esta linha pode financiar até 70% do montante de investimento necessário, até um máximo de 150 mil euros (para empresas).

 

Proximidade

Portugal é um país pequeno de norte a sul, mas ainda mais pequeno se medido na horizontal – do litoral para o interior.

Neste “jardim à beira mal plantado”, como escreveu Luís de Camões, ainda que se encontre numa cidade do interior, rapidamente (de automóvel) se “coloca” numa praia do litoral. Ou seja, ainda que, tendo uma vida estruturada no litoral, invista no interior comprando uma casa de férias ou mesmo mudando-se de malas e bagagens, estará relativamente perto de obrigações ou pendentes “deixados para trás”.