Matosinhos: Casa Acessível já tem nova fase de consultas públicas

19 abril 2021

De João Miguel

Matosinhos: Casa Acessível já tem nova fase de consultas públicas

Está a decorrer até ao final de abril a segunda fase de candidaturas para alojamentos privados que pretendam integrar o programa municipal de Arrendamento Acessível, promovido pela MatosinhosHabit. Esta iniciativa pretende captar novos fogos privados para o mercado do arrendamento a custos acessíveis, com o objetivo de colmatar as carências habitacionais do concelho.

Os imóveis candidatos serão submetidos a uma vistoria técnica, a fim de assegurar o seu estado e nível de conservação para fins habitacionais. Após isso, será feita uma seleção das casas que obtiveram a melhor classificação, tendo por base dois critérios: estado de conservação e valor da renda proposta pelo proprietário.

Tiago Maia, administrador da MatosinhosHabit explica a importância desta etapa, em comunicado, dizendo que esta será “mais uma oportunidade para os proprietários de imóveis integrarem o programa e colocarem os mesmos no mercado de arrendamento com condições muito atrativas, e ao dispor dos munícipes que precisem de alugar casa. Para além disso, os proprietários conseguem através do 'Matosinhos: Casa Acessível', uma garantia de segurança contratual, a juntar aos benefícios fiscais envolvidos."

No mesmo comunicado, é dado a saber que a propósito deste programa foi recentemente estabelecido um protocolo de cooperação entre o Município de Matosinhos e a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) que irá facilitar a divulgação do programa habitacional junto dos associados e do setor da Mediação Imobiliária, assim como apoiar as Agências Imobiliárias aderentes na preparação e submissão das candidaturas ao programa.

Para Luís Silva, presidente da APEMIP, esta importante parceria "resulta de uma realidade que se vem vivendo não só neste município, mas no país, que se prende com a crescente dificuldade de acesso à habitação pelas classes média e média baixa. Neste seguimento, e atendendo à crise habitacional que está instalada, a APEMIP não poderia deixar de estar ao lado de autarquias como a de Matosinhos, que se posicionaram para tentar promover a habitação acessível junto dos seus munícipes."

Já Pedro Silva, membro da equipa de gestão do Matosinhos: Casa Acessível, comentou a abertura da 2ª fase de consultas para proprietários dizendo que o objetivo é “reforçar a participação dos mediadores imobiliários e tentar destacar junto destes e dos proprietários as vantagens do programa. Os mediadores podem ser parceiros importantes e, nesse sentido, estamos a contactá-los com o objetivo de destacar e chamar a atenção das vantagens de adesão ao mesmo”.

Além da oportunidade de atrair novos residentes para o conselho, o responsável fala também de outras vantagens. “Trata-se de um instrumento vocacionado para agregados familiares que tem um nível de rendimentos intermédio que, por um lado, não conseguem aceder aos valores praticados no mercado de arrendamento livre, nem suportar os encargos com a aquisição de habitação própria, mas que, por outro, também não têm acesso às condições exigidas noutros programas habitacionais".

Veja também

👉 O Nosso Guia Para Arrendar Moradia ou Apartamento

👉 Arrendamento em tempos de pandemia

👉 Mercado Imobiliário em Números: Barómetro Mensal de Março

Ultima actualização: 19 abril 2021

Partilhar