Portugal continua a ser um destino trendy dentro da Europa e tem recebido uma grande onda de turismo. Principalmente as grandes cidades, que crescem a um ritmo alucinante. A resposta a esta procura pode ser o seu imóvel.

Em alternativa ao arrendamento mensal (a prática mais comum no que diz respeito à rentabilização de imóveis), tem ainda o alojamento local (short rental) e o aluguer de férias.

 

Arrendamento a longo prazo

Se quer rentabilizar um imóvel ao longo do ano, esta é a opção mais segura e constante. Não há picos em termos de valor ou procura, e além disso, tem um contrato que não só o protege enquanto proprietário, mas também ao arrendatário. Um contrato, por norma, tem a duração mínima de um ano, mas se ambas as partes estiverem de acordo podem comprometer-se com um período menor. Para saber como proceder e as implicações de um contrato pode consultar o artigo Dia D: o dia da mudança de casa. No entanto, não deve prescindir de consultar a lei.

 

Arrendamento de curta duração (short rental)

Ao contrário da opção anterior, este tipo de alojamento muta com as estações do ano. Isto é, a procura é maior nas épocas festivas tal é o caso do Natal, Férias da Páscoa, de Verão e feriados. Nessas alturas pode praticar preços mais altos por ser um mercado variável e rentabilizar o imóvel por período de tempo mais curto, além de que não implica nenhum contrato com quem escolher o seu alojamento.

Como registar o imóvel como alojamento local? Para o fazer terá de comunicar a intenção ao Presidente da Câmara Municipal. Basta que aceda ao Balcão Único Eletrónico, onde lhe será atribuído um número de registo do estabelecimento. Os imóveis neste regime têm de apresentar condições de conservação e funcionamento das instalações e equipamentos, e uma boa ventilação. Para tal, devem ter uma janela ou varandas viradas para o exterior. Também têm de garantir a privacidade dos utentes nos quartos e instalações sanitárias (no mínimo, uma por cada três quartos). As condições de higiene e limpeza têm de estar garantidas: os alojamentos ligados à rede pública de abastecimento de água (ou ter um abastecimento privado de origem controlada) e de esgotos, para além de terem água corrente quente e fria. Mais: a mudança de toalhas e roupa de cama deve acontecer uma vez por semana ou na mudança de hóspede. É ainda obrigatório que tenham extintor e manta de incêndio, equipamento de primeiros socorros e indicação visível do número de emergência, o 112. Todos estes requisitos podem ser consultados no Decreto-Lei n.º 220/2008.

 

Aluguer de férias

Este tipo de arrendamento acontece apenas nas férias, principalmente nas férias de Verão, quando há maior procura em Portugal, em especial no Algarve para fazer praia.

Os anúncios pode encontrá-los no Imovirtual, por exemplo, que além de ser uma plataforma de compra e venda de casas e de arrendamento a longo prazo também engloba esta opção. Ou então em plataformas como o OLX, site de venda de produtos em segunda mão e de venda de serviços. Lá é possível anunciar o aluguer temporário de uma casa de férias, uma vez que, por norma, se tratam de anunciantes particulares a anunciar as suas próprias casas de habitação.

Se viver num T2 em Lisboa e não quiser dedicar-se totalmente à gestão de um alojamento, o melhor será arrendar mensalmente. No entanto, se tiver um imóvel inteiro por ocupar, talvez se possa dedicar ao alojamento local. Vivendo no Algarve, terá um maior rendimento alugando a sua casa no verão, por exemplo. A melhor opção depende sempre dos seus objetivos.